29 de jan de 2012

A MENINA DO BEIJA FLOR

Lá vai ela, formosa e rebolante pelo calçadão de Ipanema.
Cintura fina e quadril largo, pele alva e forma esguia, uma volúpia que Deus lhe deu. Vai a menina de atitudes firmes e sorriso silencioso e fácil, sob o sol a lhe iluminar. 
Decidida, viajada e viajante, tem medo de avião. Segue ela, com seus cabelos curtos, agora cor de fogo, a combinar com seu imenso coração.
Quase uma atleta, corredora e fisiculturista iniciante e que, por vezes, se desconcentra facilmente com as belezas da natureza, que insistem em tocar a maciez de sua pele aveludada.
Lá vai ela, decidida pelas ruas da cidade maravilhosa, desperta olhares. Admirável mulher, grande cuidadora de todos e dos seus, intensa em tudo que faz, mas frágil, doce e desejosa veladamente. 
Ela tem um beija flor e borboletas de estimação que se aproximam dos ramos que crescem sobre sua pele, as estrelas lhe tocam, um ser único e quase mágico, mas autêntico.
Tudo dito, atributos infinitos e defeitos a desvendar, segue ela, menina bonita, pelas areias a caminho do mar, aonde, sob um guarda sol com sombra magistral, estende sua canga nova e rega as curtas madeixas com água mineral.
Então vai menina, vai e experimenta pelo menos uma vez tomar um bom banho de mar.



Nenhum comentário:

Postar um comentário