16 de jul de 2008

O INGRATO E A MOTOCICLISTA

ILUSTRAÇÃO: A motociclista - Site Google

Pois é meu caro, sempre quis lhe dizer isso, mas só agora eu digo.
Como você era chato! Santo Deus, e como sugava as nossas energias, nem lhe conto!
Mas de que adiantaria se eu lhe revelasse tais verdades, talvez piorasse.
O seu "bom dia" seco e sempre coroado por uma queixa e um pedido, ou melhor, uma ordem. Confesso que era difícil lhe dizer um "não".
Labutamos, ficamos horas e horas em infinitas discussões para tentar descobrir uma maneira de lhe colocar nos eixos, de consertar seus erros - aqueles dos quais, depois me contaram, você se gabava - e de lhe dar conforto mesmo que fosse da pior maneira possível.
Foi uma luta. Lembra daquele dia que me telefonou de madrugada queixando de sua dor de barriga e de seu cansaço. Levantei bufando e fui até você com a melhor das expressões, "pode deixar que eu resolvo". E resolvi.
Você também tinha um lado bom. Aquela música calma, o cheiro de incenso e loção mentolada, o sarcasmo e o humor negro ocasional.
Diverti-me muito quando soube que orientava as mentes alheias, logo você, um louco varrido.
A vida é assim, acabamos gostando dos mais improváveis. Hoje tenho certeza de que você nos queria muito bem, não sei o porquê, apenas sei e agora digo, talvez fôssemos improváveis também.
Pois bem, depois de tudo, tivemos a ilusão de que você fosse se endireitar. Achamos que com o presente que aquela garota motociclista lhe deu, tudo seria novo e diferente.
Mas não foi, a seqüência de erros continuou, e ganhamos de recompensa a sua ingratidão, o seu sumiço. Nunca mais o vi e tenho a impressão de que jamais o verei novamente.
Nadamos e morremos na beira da praia, que deve ser o lugar para onde você fugiu com quem lhe deu o presente.
Sentimos hoje muito a sua falta, guardamos no peito uma batida surda e frustrada, e naquele canto escuro e deserto deixamos verter uma lágrima densa.
Vai ver foi melhor assim, talvez não tivesse jeito mesmo, você ainda continua um chato em outras bandas.
Para você foi melhor assim!

Nenhum comentário:

Postar um comentário