8 de nov de 2008

FAKE FUR

FOTO MONTAGEM: Anúncio PETA - "Todos os animais tem a mesma pele"

Meu ofidismo as vezes me fere.
A minha dor só eu sinto.
Inexplicavelmente masoquista.
Meus avisos somente eu ouço.
É ilegível a minha mensagem.
Grito num vácuo infinito.
Meu plano maléfico me sufoca.
Lobo esganiçado em pele de cordeiro.
Do meu “best-seller”, sou o único leitor.
O melodrama é minha tragicomédia.
A gula preenche meu vazio desmedido.
A ira me diverte.
Sonho com dias sós, dias de chuva.
Na pia suja, deixo o meu veneno.
Na limpeza, a minha impaciência.
Minha frustração, sua ferida fechada.
Amargamente sádico.
Pele falsa, carne de quinta.
Sangue de barata e espírito de porco.
Pobre diabo, coitado miserável.
Devaneio em batidas repetidas e surdas.
Tolo, inocente, contundente.
Puramente pretensioso.
Incompreensível e desconstruído.
Confuso e tempos depois arrependido.
Ódio embebido em tolerância.
Novas manhãs de gosto amargo.
Tempo de vida, meia vida.
Vidas pela metade. Esgotamento.
Não espero que me entenda.
Mais uma vez nunca esperei.
Não entendo. Eu, meu leitor.

Um comentário:

  1. Oi!
    Tentei postar ontem aqui, mas não conseguir, espero que hoje consiga! rs

    Sobre o post, EU ENTENDO!
    Todo mundo é assim as vezes, amigo. E em quase todas as vezes nem é preciso que alguém nos entenda, nem nós mesmos!

    Gosto muito de vir aqui.

    Abraço.

    ResponderExcluir